Rota Sertão de São Francisco

Baco no Vale do São Francisco

Nem Chile, nem Califórnia. No sertão de Pernambuco, onde a caatinga vira oásis, está a mais nova e celebrada fronteira dos vinhos do Novo Mundo. Às margens do Rio São Francisco que tantos mitos e lendas deu ao Brasil, a geografia da bebida milenar se refaz. E o mundo não tarda a perceber.

Com mais de três mil horas de sol por ano, a região vinícola ao redor de municípios como Petrolina, Lagoa Grande e Santa Maria da Boa Vista produz tintos e espumantes vigorosos e frutados. As parreiras não hibernam. São mais de duas safras por ano. Mais de 15% dos vinhos finos do Brasil já têm o Vale do São Francisco como região de procedência. No sertão pernambucano, Baco estende seus domínios.

Resultado de imagem para vinho de petrolina

Petrolina – PE

 

E o turismo também não demora a perceber. Entre passeios pelas muitas ilhas e praias fluviais do São Francisco, cerca de três mil visitantes chegam todos os meses para conhecer e provar a produção das vinícolas locais. O Vale do São Francisco inscreve-se no mapa do enoturismo mundial. Faz agora companhia a destinos como o Vale do Loire e Bordeaux, na França, ou Mendonza, em nossa vizinha argentina.

File:Pôr do sol no rio São Francisco. Santa Maria da Boa Vista, Pernambuco, Brasil 1.JPG

Pôr do sol no rio São Francisco. Santa Maria da Boa Vista, Pernambuco

 

Degustação garantida, esses visitantes logo estarão deslizando sobre embarcações nas águas do São Francisco. Todas protegidas pelas tradicionais carrancas de proa. Diz a sabedoria popular que essas esculturas mitológicas afastam os maus espíritos dos rios. Há quem creia. Há quem duvide. O certo é que conduzem aos prazeres do Vale. Aos da mesa, por exemplo. A região construiu uma culinária de muita personalidade, de deixar marcas profundas na memória do paladar. Guisados e assados, bodes e carneiros, animais resistentes que ajudaram o homem a fixar-se nesta parte do Brasil, protagonizam uma rica e suculenta gastronomia.

É também uma terra de oportunidades. Com 120 mil hectares cultivados e irrigados com as águas do Velho Chico, o Vale do São Francisco produz e exporta frutas como uva, manga, coco, maracujá e banana. Das 130 mil toneladas de manga que o Brasil manda para o exterior por ano, mais de 120 mil saem daqui. Muita gente vem para passear. Mas é difícil não fazer negócios. O brinde está garantido. Com vinhos do Vale do São Francisco.